Pular para o conteúdo principal

POSTAGEM EM DESTAQUE

VISUAL ARTV - Plataforma Shop Sui dança dois novos trabalhos no Centro de Referência da Dança

Plataforma Shop Sui dança dois novos trabalhos no Centro de Referência da Dança                                                                                  Foto Leandro Moraes (O Boi Voador)

Em temporada de duas semanas, de 11 a 20/7 (quintas, sextas e sábados, às 19h), a Plataforma Shop Sui apresenta no Centro de Referência da Dança – CRDSP – espetáculo com duas coreografias: a remontagem de “Meu Doce Estimado”, criada originalmente para o Cesta de Dança, projeto da Quasar Companhia de Dança (2012), e o mais recente trabalho, “O Boi Voador”,solo de Fernando Martins, bailarino e diretor da companhia. A entrada é gratuita. “Meu Doce Estimado” fala da relação entre dois indivíduos estagnados pelas dificuldades de comunicação, que os levam para um universo mais visceral onde atitudes humanas e animais se perdem na sua realidade estabelecida. Inspirado em fragmento de texto de Clarice Lispector e em ação da própria escritora, que reescreve seu próprio texto, re-lido entre haspas em outro…

WEB TV VISUAL ARTV - CIA FRAGMENTO DE DANÇA - "CORPOS FRÁGEIS"




Cia Fragmento de Dança coloca em cena
a potência sensível de “Corpos Frágeis”
Revisitado, trabalho de 2010 sintetiza questões e traz em seu bojo uma relevante discussão sobre gênero, em linha com as inquietações existenciais da sociedade atual.
Imagem inline 1
                                                                                                                       Foto: Cris Lyra
O quanto de força tem na fragilidade, o quanto de morte tem na vida, quanto de potência tem na dor. Essas e outras questões também relacionadas ao universo feminino, às discussões de gênero e aos paradoxos que constituem a existência humana são os dispositivos que acionam o espetáculo “Corpos Frágeis”, que a Cia Fragmento de Dança apresenta, de 4 a 27 de setembro, em sessões de sexta a domingo, no Kasulo Espaço de Cultura e Arte.
Recriado, o trabalho, de 2010, teve como ponto de partida o livro “Corpos Frágeis, Mulheres Poderosas”, das autoras argentinas Maria Martoccia e Javiera Gutierrez, que retrata a vida e obra de nove talentosas mulheres – entre elas Frida Khalo, Virginia Wolf e Billie Holiday - que buscaram, da fragilidade de seus próprios corpos, uma força incomum para superarem suas existências tortuosas e deixar, cada uma a seu modo, uma obra transcendente.
Para além da inegável importância que a obra dessas mulheres trouxe para a humanidade, o que moveu a companhia para revisitar a peça foram as questões em comum que suscitaram de suas experiências. “O trabalho artístico não busca elevá-las, destacando uma ou outra perante o mundo, como mártires de dor. Interessa-nos a reflexão que provocam sobre as contradições em que está imersa a nossa própria existência; suas vidas e obras estão diluídas no trabalho, sem referenciá-las como personagens”, observa Vanessa Macedo, diretora da companhia paulistana fundada há 12 anos.
O elenco formado por  Chico Rosa, Daniela Moraes, Maitê Molnar, Rafael Edgar, Rafael Sertori, a própria Vanessa Macedo, além  de três novos integrantes da companhia, que se revezam durante a temporada – Diego Hazan, Flávia Tiemi e Iolanda Sinatra -, se apropria do pulsar desses corpos abstratos, que se mostraram, a um só tempo,  protagonistas e antagonistas da realidade, e colocam em cena a fragilidade do feminino enquanto potência sensível.
A ambientação sonora composta por Gustavo Domingues e os tons sépia da luz de Sandro Borelli, da cenografia de Nani Brisque e do figurino em versão atual de Daíse Neves (o original, também assinado por Nani Brisque), compõem com a atmosfera intimista e a densa e delicada dramaturgia do corpo.
Corpos Frágeis mantém-se atual e, mais do que nunca, oportuno ao motivar uma discussão de gênero, preconceito e intolerância como tabus que persistem em pleno século XXI.
A temporada no Kasulo integra projeto contemplado pela 16ª edição do Programa de Fomento à Dança para a Cidade de São Paulo.
________________________________________________

Serviço: Cia Fragmento de Dança, dirigida por Vanessa Macedo, com “Corpos Frágeis”.  De 04 a 27 de setembro, sextas e sábados, 21h; domingos, 19h. Kasulo Espaço de Cultura e Arte (Rua Sousa Lima, 300 - Barra Funda – São Paulo- tel: 11 3666-7238). 50 min., 14 anos30 lugares. Grátis – os ingressos devem ser retirados uma hora antes do espetáculo. Também podem ser feitas reservas pelo e-mail producaociafragmento@gmail.com 
Sinopse
Corpos Frágeis” – Cia Fragmento de Dança
"Corpos Frágeis" coloca em cena a fragilidade do feminino enquanto potência sensível. A pesquisa partiu do livro “Corpos Frágeis, Mulheres Poderosas”, de Maria Martoccia e Javiera Gutierrez, que reúne a vida e obra de nove mulheres, dentre elas Frida Kahlo, Billie Holiday e Virginia Woolf, que além do talento, tiveram em comum inimigos invencíveis como o preconceito, a ignorância, a fatalidade e, principalmente, seus próprios corpos, trazendo uma discussão que transita entre vida e morte, dor e criação, fragilidade e força como paradoxos da própria existência.
Coreografia e direção: Vanessa Macedo. Com Chico Rosa, Daniela Moraes, Diego Hazan, Flávia Tiemi, Iolanda Sinatra, Maitê Molnar, Rafael Edgar, Rafael Sertori e Vanessa Macedo.

Ficha técnica:
Coreografia e direção: Vanessa Macedo
Assistente de coreografia: Maitê Molnar
Elenco: Chico Rosa, Daniela Moraes, Diego Hazan, Flávia Tiemi, Iolanda Sinatra, Maitê Molnar, Rafael Edgar, Rafael Sertori e Vanessa Macedo
Criação de luz: Sandro Borelli
Trilha sonora: Gustavo Domingues
Cenário: Nani Brisque
Figurino original: Nani Brisque/ Versão Atual: Daíse Neves
Preparação corporal: José Ricardo Tomaselli, Rodrigo Vieira e Vanessa Macedo
Produção executiva: Iolanda Sinatra
Assistência de produção: Maria Basulto

Sobre a Cia.
Com direção de Vanessa Macedo, a Cia Fragmento de Dança desenvolve pesquisa e criação em dança contemporânea desde 2002. Suas criações são marcadas pela inspiração em artistas, obras e conteúdos especialmente confessionais. Discute, a partir daí, relações vividas pelo homem, enquanto ser social e ser solitário. Envolvida nessas questões, a cia. procura construir um vocabulário de movimento próprio, buscando uma estética dramatúrgica autoral.      
Em seus últimos projetos - viabilizados por meio de prêmios e editais, principalmente o de Fomento à Dança para a cidade de São Paulo -, vem desenvolvendo ações que privilegiam a troca com profissionais de outros universos artísticos e áreas de atuação. “Fomos percebendo que essas ações, que vão além dos limites da nossa prática artística diária, são possibilidades concretas de compartilhamento que ultrapassam o universo da dança. Criar pontes com outros espaços e pessoas não só enriquece o nosso fazer artístico, mas nos coloca em contato com campos de conhecimento diversos, capazes de nos afetar criativa e politicamente”, pondera a diretora da Companhia.
Trajetória
2014 – “Aos vencedores, as batatas” – Contemplado pelo Proac – Programa de Ação
Cultural do Estado de São Paulo.
2013 – “Sem Título” – estreia em fevereiro de 2013. Contemplado pelo 12°
edital do Programa Municipal de Fomento à dança.
2012 – “Nuvens Insetos” – Contemplado pelo 10° edital do Programa
Municipal de Fomento à dança e pelo prêmio Klauss Vianna (2013).
2011 – “Ecos” – estreia em junho de 2011 no Semanas da Dança do CCSP.
2010 – “Anjos Negros” – Contemplado pelo Proac – Programa de Ação
Cultural do Estado de São Paulo.
2010 – “Corpos Frágeis” – Contemplado pelo 6° edital do Programa
Municipal de Fomento à Dança e pelo edital de ocupação da Caixa.
2008 – “Beije Minha Alma” – premiado pelo 12° Cultura Inglesa Festival.
2008 – “Sob a Nudez dos Olhos”– contemplado pelo 2° edital do Programa
Municipal de Fomento à Dança e pelo Circuito SESI de Dança 2008.
2007 – “Versos da Última Estação”– contemplado pelo Proac – Programa de
Ação Cultural para pesquisa e investigação em Dança.
2006 – “Sem voz, sem sono, sem vez”– Criado para a Domínio Cia de Dança
de Natal-RN em 2006 e remontado na Cia Fragmento neste mesmo ano.
2004 – “In verso” – contemplado pelo projeto “Sesi Novos talentos”.
2002 – “Reticência”– Participou do projeto “Outras Danças” (Sesc Ipiranga),
do Panorama Sesi da Dança-2003 (Sesi da Paulista) e da I Mostra Natal de
Dança (Escola de Música da UFRN).
IMAGENS






assessoria de imprensa:
Elaine Calux 
11 33689940 | 964655686

Comentários