Pular para o conteúdo principal

POSTAGEM EM DESTAQUE

VISUAL ARTV - Plataforma Shop Sui dança dois novos trabalhos no Centro de Referência da Dança

Plataforma Shop Sui dança dois novos trabalhos no Centro de Referência da Dança                                                                                  Foto Leandro Moraes (O Boi Voador)

Em temporada de duas semanas, de 11 a 20/7 (quintas, sextas e sábados, às 19h), a Plataforma Shop Sui apresenta no Centro de Referência da Dança – CRDSP – espetáculo com duas coreografias: a remontagem de “Meu Doce Estimado”, criada originalmente para o Cesta de Dança, projeto da Quasar Companhia de Dança (2012), e o mais recente trabalho, “O Boi Voador”,solo de Fernando Martins, bailarino e diretor da companhia. A entrada é gratuita. “Meu Doce Estimado” fala da relação entre dois indivíduos estagnados pelas dificuldades de comunicação, que os levam para um universo mais visceral onde atitudes humanas e animais se perdem na sua realidade estabelecida. Inspirado em fragmento de texto de Clarice Lispector e em ação da própria escritora, que reescreve seu próprio texto, re-lido entre haspas em outro…

VISUAL ARTV - MENDES WOOD - DM -Barcelona 2017 laço 25 - 26/05 2017 - Leticia Ramos Vostok, 2014, vídeo 35 milímetros HD dolbysound, 8' de loop






Barcelona 2017 laço

25 - 26/05 2017
Calle Pelayo 28
Barcelona
Leticia Ramos
Vostok, 2014, vídeo 35 milímetros HD dolbysound, 8' de loop
Vostok, por Leticia Ramos, apresenta-se como um registro criado em um futuro distópico durante uma expedição ao Lago Vostok: o maior lago subglacial na Antártida, localizado a cerca de quinhentos metros abaixo do nível do mar. Tendo escolhido o documentário como seu formato para transmitir o desconhecido, o artista recorre a uma estética de ficção científica por seu trabalho. Simultaneamente, no entanto, a questão de imagens manipuladas e discursos surge. Assim, o filme chama a atenção para o papel do documentário audiovisual como ferramenta de poder e dominação através da criação de ficções.
Estas ficções frequentemente moldar o que nós associamos com o desconhecido, com memórias, e com o que é estabelecido como verdade.
Em Vostok , vemos através da câmera de vídeo. É o olho que foi emancipado do organismo humano; ele viaja, chega, e registra territórios em nome da investigação científica e da sua suposta verdade. Num futuro possível, haverá máquinas capazes de suplantar a fragilidade do corpo; a viagem para Vostok é um exemplo. Através de uma visão mais atenta, no entanto, descobrimos que o submarino no vídeo é miniatura mock-up, e que esta navegação nas profundezas do lago glacial é nada mais do que uma encenação que significa para representar extensões de alguns milhares de quilómetros em um conjunto realmente feito em um aquário. Através de suas produções, o artista realiza pesquisa arqueológica em materiais, câmeras e dispositivos. Através de uma série de recursos cinematográficos imagens -grainy definidos em preto e branco filmado em 16mm, ou áudios Inglês com Ramos interferences- também consegue simular a estética destes supostamente capturado-in-the-far-fins-de- o-universo (ou capturados-in-the-profundidades-of-the- mar) imagens, como prova da realidade e existência. Ela usa todos os seus elementos no serviço da criação de uma narração visual credível, que transmite a tensão existente na ambição do documentarista para refletir a realidade. Desta forma, o trabalho demonstra que a produção de documentos audiovisuais científicos é capaz de esconder uma encenação os gostos de Christopher Nolan Interstellar .
Não há nenhuma razão para que as máquinas devem transportar qualquer credibilidade maior do que os europeus que retornaram de expedições americanas em 1600 com representações de animais marinhos com vinte olhos e penas. Vostok , com sua estética audiovisual explorar as margens de desconhecidos que somente os instrumentos mecânicos podem chegar como uma extensão do nosso corpo, prova como qualquer imagem pode ser construído. É uma montagem, mesmo que não se parece com um. O que vemos não poderia vir a passar, se não fosse por um ato de fé.
Melina Ruiz-Natali
Vostok, 2014, vídeo 35 milímetros HD dolbysound, 8' de loop
https://vimeo.com/67728009
13 Rue des Sablons / Zavelstraat
1000 Brussels, Belgium
+32 2 502 09 64
brussels@mendeswooddm.com

www.mendeswooddm.com
facebook.com/mendeswooddm
@mendeswooddm
Copyright © 2017 Mendes Madeira DM, Todos os direitos reservados. 

Comentários