Pular para o conteúdo principal

POSTAGEM EM DESTAQUE

VISUAL ARTV - Com “Urbaninhas”, XII Visões Urbanas se despede da cidade

Com “Urbaninhas”, XII Visões Urbanas se despede da cidade
 “Sr. Calvino”, da Cia Artesãos do Corpo, que encerra o VU, em São Paulo, na Casa das Rosas.Foto Fábio Pazzini
Nesta sexta, dia 19 de abril, o XII festival internacional Visões Urbanas, que desde o início do mês vem espalhando dança em espaços abertos pela cidade, se despede de São Paulo com o “Urbaninhas”, uma programação voltada especialmente para o público infantil. Em um cenário não menos especial - os belos jardins da Casa das Rosas -, a partir das 11h, se apresentam o Grupo Caixa de Imagens, com a delicada boneca Gilda, em “Travessia”, seguido da criação de Lara Dau Vieira, “O Corpo no Desenho”, e por último, “Sr. Calvino”, da Cia Artesãos do Corpo, que concebe e produz o Festival anualmente. Na delicadeza de melodias executadas ao vivo por Carlos Gaúcho, a pequena boneca Gilda, de aproximadamente 10 cm, tem como cenário o vestido de quem a manipula - a atriz  Mônica Simões -, e quer dar uma flor para quem interagem com ela.…

ANHANGAÇU LANÇAMENTO eBOOK - LEANDRO CARLOS ESTEVES




LANÇAMENTO
O ESCRITOR LEANDRO CARLOS ESTEVES ESTÁ
LANÇANDO  O LIVRO DE CONTOS 
ANHANGAÇU  NADA SERÁ COMO ANTES
 PELA DOBRADURA EDITORIAL
LEANDRO CARLOS ESTEVES: O AUTOR
O Escritor Leandro Carlos Esteves fala sobre seu livro de contos "Anhangaçu - Nada Será Como Antes" que está sendo lançado em formato e-book e pode ser encontrado na Amazon.

O livro recebeu muitos elogios, desde seu lançamento em formato tradicional pela Editora Dobradura. Alguns dos elogios estão registrados nesse vídeo e espera-se que o e-book aumente a penetração desse importante volume de contos.
O Autor


ASSISTA O VÍDEO SOBRE O LIVRO ANHANGAÇU


COMPRE NA AMAZON CLICANDO EM CIMA DO LINK:


OU PELA LOJA DA DOBRADURA EDITORIAL


PAULO LINS- CIDADE DE DEUS

“O meu conhecimento sobre os brasileiros e o Brasil foi adquirido através de seus escritores. De tudo o mais importante não é o acontecimento e sim o sentimento que a narrativa expressa. A colocação das palavras nas frases e a sua pontuação leva o leitor a enxergar a escrita por dentro e não apenas como um espectador da prosa de Leandro. Já vimos isso em Sousândrade, Mario de Andrade, Guimarães Rosa, Zé Lins do Rego e Patativa do Assaré entre outros poetas e prosadores da nossa Literatura. A formação de São Paulo, a ditadura militar, o sentimento de emancipação, a imigração passam para dentro da gente de uma forma que nos vai fazer relembrar para sempre de Woo, Anhangaçu, Vincenzo Barillari, Fujiô e de tantos outros personagens dos contos desse livro como  lembramos Macunaíma, Gabriela, Capitu, Diadorim e Riobaldo. Sem dúvida esse é um dos melhores livros que já li. Em pouco tempo, pude conhecer mais sobre a reestruturação de São Paulo à época da imigração e da revolução industrial no conto ANHANGAÇU – Nada Será Como Antes. A transformação da cidade através do rio Anhembi-tietê numa beleza de sintaxe onde a colocação dos termos da oração molda a fala e os pensamentos dos bichos, dos homens, a atitude do macaco, o narrador que em terceira pessoa também é personagem pelo tom da prosa. Percorri por retratos do deserto onde seus cavalheiros atravessam as fortalezas atrás de donzelas roubadas a poder de amor. Entrei pelo Japão do ano mil onde o homem e seu cachorro fugindo da guerra encontram o povo duma pobre vila que lavrava o mar e disso vivia. Tenho a certeza que o leitor se encantará na hora que um filme mudo for apenas um sonho chinês em prosa curta, de imagens pouco vistas na Literatura brasileira seja na poesia, seja no conto ou no Romance.
Esse livro retrata face dos povos que habitam São Paulo, o Brasil e uma parte da América do Sul. Um trabalho que vem para sacudir a cena literária brasileira pela habilidade da escrita do autor, pelo seu conhecimento de causa, pela sua sinceridade artística, pela influência de grandes autores, pelo diálogo aberto com a tradição e com a produção atual.”
Paulo Lins
Autor de Cidade de Deus e Desde que o samba é o samba.

DUCA RACHID -AUTORA DE TELENOVELA

“(…) grande conhecedor do ofício e ser político, sensível àquelas criaturas miúdas, invisíveis, que fizeram a História e/ou foram vítimas dela. Como o índio Anhangaçu, do conto de mesmo nome, que assiste incrédulo, a transformação de São Paulo numa cidade  industrial.”
Duca Rachid
Autora de telenovelas como Cordel Encantado e Joia Rara feitas em parceria com Thelma Guedes

Comentários