Pular para o conteúdo principal

POSTAGEM EM DESTAQUE

VISUAL ARTV - CRD SP - Desvelo estreia “Bando!”, espetáculo de dança que aposta na força dos coletivos

VISUAL ARTV - MENDES WODD - Matthew Lutz-Kinoy Jardim do Sul do Château Belleville Com curadoria de Stéphanie Moisdon




Matthew Lutz-Kinoy 

Jardim do Sul do Château Belleville Com
curadoria de Stéphanie Moisdon 

3 de fevereiro a 20 de maio de 2018 

Le Consortium
Dijon, França



Na origem do enorme arranjo de pinturas e cerâmicas produzidas por Matthew Lutz-Kinoy para o Consórcio, encontra-se a memória viva das salas dedicadas ao pintor François Boucher no museu da coleção Frick em Nova York: uma série de paredes painéis retratando crianças realizando tarefas para adultos. Zombando, putti rechonchudo, sua pele como madrepérola, desenvolvendo-se em uma rica gama cromática, suas tonalidades de cores refinadas e escandalosas. O que emana desses cômodos é um olhar boudoir, um erotismo indiferente, a tentação do decorativo e o gosto daquele século XVIII pelo exotismo, todo um bric-à-brac de tapetes e cerâmicas. Onde o loiro, o azul, o rosa e o laranja se misturam agradavelmente. O pintor do rococó seria devidamente reprovado por aquela extravagância frívola: tanta leveza, tanta facilidade! Hoje, vários séculos após a revolução, Boucher ainda encarna uma deterioração dos valores da arte e da política, com sua arte sendo envolvida em uma área duvidosa, despojada de todas as noções de conflitos. Mas o que mais chama a atenção de Matthew Lutz-Kinoy é a maneira como as imagens preenchem a madeira do quebra-cabeça do salão. A pintura tomada em uma totalidade, um campo desenhado e cruzado pela paisagem daquele espaço interno.
As telas, que cobrem e dividem a sala do Le Consortium em grandes segmentos, incorporam e transformam as imagens de rocaille molhadas de Boucher, que as ultrapassam, com efeitos de apagamento em vez de enterrar. Eles excedem os sujeitos e corpos, a natureza e sua ordem e, por camadas, inventam uma estrutura semelhante a uma rede de labirinto, um diagrama ou um sistema; mais uma imagem líquida do que uma paisagem, uma percepção líquida e não-gasosa, capaz de expressar a fluidez das coisas e o movimento imaterial que leva a figura embora.
É com base nesses movimentos, esses efeitos de afiação, enquadramento e montagem, que Matthew Lutz-Kinoy produz um espaço feito de todos os outros, uma heterotopia de certa forma, uma divisão do tempo, com o poder de justapor vários locais. em um único lugar real, um teatro que introduz no retângulo da galeria toda uma série de lugares estranhos um ao outro; deste modo, à representação residual e fragmentária das pinturas de Boucher acrescentam-se planos fragmentados e ampliados do jardim do castelo de Bellevue, todo um sistema de linhas e curvas que estruturam o todo e remetem à linguagem, arquivos e ao mesmo tempo simbólico e documental. valor de tudo isso.
O jardim é a figura mais antiga das heterotopias, é a menor parcela e a totalidade do mundo. O jardim é como o umbigo, o umbigo do mundo em seu centro. É um tapete onde o mundo inteiro alcança sua perfeição simbólica, e o tapete também é uma espécie de jardim móvel no espaço. As cerâmicas antropomórficas dispostas na superfície dos tatames compõem este jardim móvel, como muitos vasos corporais que interagem com a totalidade da paisagem.
A idéia de acumular tudo, a idéia de formar um tipo de arquivo geral, o desejo de confinar dentro de um lugar fechado espaços exteriores, tempos e períodos, formas e gostos, a idéia de formar um lugar de todos os tempos que é fora do tempo, o projeto de assim organizar uma espécie de perpétua e indefinida acumulação de tempo em um lugar que não se move, bem, tudo isso pertence à nossa modernidade. O que quer dizer a questão política de gêneros e identidades e sua transformação.

São Paulo
Brussels
New York

www.mendeswooddm.com 
Facebook  /  Instagram

Comentários