Pular para o conteúdo principal

POSTAGEM EM DESTAQUE

VISUAL ARTV - Plataforma Shop Sui dança dois novos trabalhos no Centro de Referência da Dança

Plataforma Shop Sui dança dois novos trabalhos no Centro de Referência da Dança                                                                                  Foto Leandro Moraes (O Boi Voador)

Em temporada de duas semanas, de 11 a 20/7 (quintas, sextas e sábados, às 19h), a Plataforma Shop Sui apresenta no Centro de Referência da Dança – CRDSP – espetáculo com duas coreografias: a remontagem de “Meu Doce Estimado”, criada originalmente para o Cesta de Dança, projeto da Quasar Companhia de Dança (2012), e o mais recente trabalho, “O Boi Voador”,solo de Fernando Martins, bailarino e diretor da companhia. A entrada é gratuita. “Meu Doce Estimado” fala da relação entre dois indivíduos estagnados pelas dificuldades de comunicação, que os levam para um universo mais visceral onde atitudes humanas e animais se perdem na sua realidade estabelecida. Inspirado em fragmento de texto de Clarice Lispector e em ação da própria escritora, que reescreve seu próprio texto, re-lido entre haspas em outro…

VISUAL ARTV - PARADOXO(S) DA ARTE CONTEMPORÂNEA: Diálogos entre os acervos do MAC USP e do Paço das Artes





PARADOXO(S) DA ARTE CONTEMPORÂNEA:
Diálogos entre os acervos do MAC USP e do Paço das Artes

Resultado da parceria entre o Museu de Arte Contemporânea da USP e o Paço das Artes - Instituição da Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo -, a exposição Paradoxo(s) da Arte Contemporânea: diálogos entre os acervos do MAC USP e do Paço das Artes - com abertura no dia 26 de maio, a partir das 11 horas - apresenta um diálogo possível entre as instituições, com artistas que desenharam a história do Paço das Artes e que fazem parte do acervo do MAC USP. Como lembra Priscila Arantes, diretora artística e curadora do Paço das Artes, “por não possuir uma coleção de obras de arte, o acervo do Paço é constituído pela documentação e arquivo da instituição, refletindo os registros das exposições e ações culturais ali organizadas”. O trabalho de documentação, fundamental para a memória da arte contemporânea, também é uma das questões centrais para o MAC USP. “Nesse diálogo, procuramos cotejar e acompanhar artistas que fizeram a história do Paço e estão presentes no acervo do MAC USP”, diz Ana Magalhães, curadora do Museu de Arte Contemporânea.

A obra Paradoxo do santo, de Regina Silveira, é o ponto de partida para a curadoria de Ana Magalhães e Priscila Arantes. A instalação, que contrapõe a imagem popular de Santiago Apóstolo - patrono militar da Espanha e do Novo Mundo - à grande sombra distorcida e projetada do famoso monumento eqüestre dedicado a Duque de Caxias - patrono das forças armadas brasileiras - representa uma reflexão da artista sobre os conflitos de dominação da América Latina. O trabalho foi escolhido como fio condutor para a seleção dos demais artistas e para discutir as inquietações que ambas as instituições têm levantado no que diz respeito à produção contemporânea. A partir dessa instalação, do efeito da sombra e seus significados, outras obras de Regina Silveira foram selecionadas, discutindo questões como o museu, o território, o ativismo e a violência.

O museu e seu paradoxo são revisitados nas proposições de Fabiano Gonper, Felipe Cama e Antoni Muntadas, este último com a reativação da obra “Sobre a Subjetividade”, de 1978, em que o artista selecionou 50 imagens do livro “The Best of Life” (publicação de fotografias da revista norte-americana Life) e enviou por carta para diferentes pessoas solicitando uma sugestão de legenda para as mesmas. O território e seus conflitos emergem nas proposições de Gilbertto Prado, Rosângela Rennó, Alex Flemming, Nazareno Rodrigues e Giselle Beiguelman. Em “Cinema Lascado - Minhocão”, por exemplo, Giselle Beiguelman propõe ao expectador vivenciar escombros impossíveis como estar, simultaneamente, em cima e em baixo do viaduto paulistano.

O ativismo e as poéticas militantes estão presentes nos trabalhos de Eduardo Kac e Tadeu Jungle ao mesmo tempo em que a violência é inerente aos trabalhos de Thiago Honório, Fernando Piola e Hudinilson Jr. “Essas constelações não são núcleos ou temas rígidos na exposição, mas formam redes de contatos sobrepondo-se umas às outras. Não há uma disposição linear ou cronológica, mas um diálogo entre os artistas dentro desses paradoxos que a arte contemporânea propõe na atualidade”, descrevem as curadoras.

As parcerias entre o Paço das Artes e o MAC USP são de longa data, iniciadas ainda quando as instituições eram vizinhas dentro da Cidade Universitária (até a saída do Paço e do MAC USP, em 2016). Esta relação de cooperação, como ressaltada pelo diretor do MAC USP, Carlos Roberto F. Brandão, é de extrema relevância. “Assim como o Museu, o Paço é estimulador da produção contemporânea mais atual, com enorme atenção à preservação da memória dessa produção, e um enfoque especial nos debates sobre documentação, arquivamento e conservação da arte contemporânea”, lembra.

Exposição: Paradoxo(s) da Arte Contemporânea: Diálogos entre o acervo do MAC USP e o acervo do Paço das Artes
Curadoria: Ana Magalhães (MAC USP) e Priscila Arantes (Paço das Artes)
Abertura: 26 de maio de 2018, a partir das 11 horas
Encerramento: 5 de agosto de 2018
Funcionamento: Terça a domingo das 10 às 21 horas
Local:  MAC USP  – Avenida Pedro Álvares Cabral, 1301
Telefone: 11 2648.0254 (recepção) - 11 2648.0258 (educativo)
Entrada gratuita
www.mac.usp.br

Contatos com a imprensa - 
Imagens em https://goo.gl/51b7iB
MAC USP – Comunicação Institucional
Sérgio Miranda / Beatriz Berto / Dayane Inácio – (11) 2648.0299 - smiranda@usp.br

Paço das Artes - Assessoria de Comunicação
Flávio Silva - (11) 2117-4777 ramal 432 - flavio.silva@pacodasartes.org.br

Comentários