Pular para o conteúdo principal

POSTAGEM EM DESTAQUE

VISUAL ARTV - PINA - DOMINIQUE GIGLIOT LE JUMELAGE (A geminação), 2018

VISUAL ARTV - VERGE GALERIA - VERVE GALERIA APRESENTA TEMÁTICA QUEER EM NOVA INDIVIDUAL







VERVE GALERIA APRESENTA TEMÁTICA QUEER EM NOVA INDIVIDUAL 
  
"Um Homem Bateu em Minha Porta”, de Francisco Hurtzexibe desenhos e pinturas que propõem um novo olhar à representação do corpo masculino   
  
A Verve Galeria inaugura "Um Homem Bateu em Minha Porta", do artista plástico Francisco Hurtzcom texto crítico de Jorge Coli. Através de 20 trabalhos - entre desenhos, fotografias e pinturas - a mostra aborda o erotismo ao apresentar corpos masculinos em confronto, perfazendo uma dura afirmação política em face das convicções machistas presentes nas artes visuais e na sociedade em geral. 

Em sua primeira individual na Verve GaleriaFrancisco Hurtz propõe um novo olhar à representação do corpo masculino, normalmente retratado jovem, dominante, viril e potente – imagem corriqueira e massificada do universo gay. “Busco romper com uma tradição homoerótica de desejo e afeto projetados na criação estética, e dou lugar ao vazio, à dubiez, à indefinição e à perplexidade”, comenta. Sobre esta produção, o historiador Jorge Coli diz: “Ao centrar-se sobre o corpo masculino e sobre o fetichismo homoerótico, Francisco Hurtz celebra menos uma sexualidade exuberante do que o rigor próprio a uma síntese concentrada. Opera uma desumanização, seja ela sentimental, seja ela de estímulos eróticos. Instaura mais a contemplação do que o apelo do desejo. Mesmo suas épuras de jovens, delicadas, sugerem um esvaziamento: nem rosto, nem alma. Os personagens sado masoquistas expulsam o erotismo pela objetivação de uma imagem que possui algo de demonstrativo”. 

Além de uma mera afirmação do desejo homossexual, “Um Homem Bateu em Minha Porta” representa um embate contra as normas heterocentradas que regem grande parte do mercado de arte. Engajado com a Teoria Queer e com a estética pós-pornô, Francisco Hurtz questiona o exercício do protagonismo no meio artístico, e explicita o silenciamento sistemático da Arte Queer nos museus e instituições do Brasil - país com os maiores índices de violência contra LGBT’s no mundo. Nos dizeres do artista: “A celebração ao corpo e a pura escopofilia nas artes ficam de lado e dão lugar à incerteza através de um olhar subversivo. Corpos de homens em confronto: a tortura, a objetificação, a fragilização, o apagamento, fragmentação, a subordinação e a redução de imagens masculinas colocam o homem em um lugar de servidão e incômodo pouco comuns nas artes visuais”.   




Francisco Hurtz, "Mentira" (2018)


Exposição: "Um Homem Bateu em Minha Porta" 
Artista: Francisco Hurtz 
Texto Crítico: Jorge Coli 
Coordenação: Allann Seabra e Ian Duarte Lucas 
Abertura: 25 de setembro de 2018, terça-feira, às 19h 
Período: 26 de setembro a 27 de outubro de 2018 
Local: Verve Galeria – www.vervegaleria.com 
Endereço: Rua Lisboa, 285 – Jardim Paulista, São Paulo – SP 
Telefone: (11) 2737-1249 
Horários: Terça a sexta-feira, das 10 às 19h / Sábado, das 11 às 17h 
Classificação indicativa: Não recomendada para menores de 18 anos 

Comentários