Pular para o conteúdo principal

POSTAGEM EM DESTAQUE

VISUAL ARTV - ‘Dança se Move Ocupa’ traz um mês de ações culturais na Funarte SP

‘Dança se Move Ocupa’ traz um mês de ações culturais na Funarte SP
Organizado por artistas da dança de São Paulo, evento dinamiza o complexo cultural da Funarte, com 26 apresentações de núcleos artísticos, seis debates sobre temas que envolvem a arte e a cultura na atualidade nacional, nove oficinas, JAM de Contato Improvisação, performances, lançamento de livros e sessão de cinema.
                                                                         Foto: Fellipe Oliveira (“situação 3# posição amorosa”)
Entre 11 de novembro e 16 de dezembro, a Funarte São Paulo acolhe o ‘Dança se Move Ocupa’, uma intensa programação artística proposta pelo Movimento A Dança se Move, organização independente da dança contemporânea paulistana, que reúne algumas dezenas de núcleos artísticos, que vêm produzindo pesquisa e obras sempre antenados com os acontecimentos no Brasil e no mundo. Mesmo sem nenhum tipo de apoio financeiro, durante as cinco semanas do evento, os artistas estarão mobilizados com apr…

VISUAL ARTV - Teatro Enlatado estreia thriller psicológico de Michelle Ferreira no Sesc Belenzinho


Teatro Enlatado estreia thriller psicológico
de Michelle Ferreira no Sesc Belenzinho


A relação amorosa entre duas mulheres que sofrem ataques homofóbicos de um de seus vizinhos é o ponto de partida do suspense Tem Alguém que nos Odeia, com texto e direção de Michelle Ferreira. O espetáculo da Cia. Teatro Enlatado estreia no Sesc Belenzinho, no dia 16 de novembro, e segue em cartaz até 16 de dezembro.

Depois de uma temporada vivendo no exterior, a brasileira Maria e a estrangeira Cate, protagonizadas pelas atrizes Mariana Mantovani e Maíra De Grandi, mudam-se para um apartamento em São Paulo. As diferenças culturais geram uma crise na relação amorosa e elas passam a sofrer ataques de outro morador do prédio, que espalha mensagens de ódio e intolerância contra as duas em bilhetes, pichações e agressões. Sem poder contar com a síndica nem com a polícia, Maria e Cate vivem o medo e uma permanente tensão.

A encenação levanta questões sobreo fazer diante de uma sociedade que quer vigiar os corpos, como suportar um sistema heteronormativo que ignora direitos, como apelar para o estado falsamente laico e como reagir à violência quando ela é permitida e banalizada.

Para criar o clima de terror e suspense psicológico, o grupo investigou o trabalho de Alfred Hitchcock, Michael Haneke e Bruno Dumont, que manipulam em suas obras o tempo por meio dos atores e o espaço por meio dos planos.“A encenação acontece a partir do corpo das atrizes e de um estado dilatado. É por meio dos corpos que geramos tensão e suspense para que a peça aconteça para além dela mesma, para que ela se complete no público. Usamos, portanto, todos os recursos da teatralidade para gerar eventos psíquicos nos espectadores", conta a diretora e dramaturga Michelle Ferreira.

Outra referência é o trabalho do artista inglês Francis Bacon (1561-1626), que empresta para a montagem a cor e a temperatura dos ambientes retratados em suas pinturas, capazes de provocar pesadelos. Esses elementos ficam evidentes na iluminação intimista de Cláudia de Bem e na cenografia de Fernando Salles.

O texto de Ferreira foi finalista do Prêmio Luso-Brasileiro de Dramaturgia Antônio José da Silva (2011), organizado pelo Instituto Camões de Portugal. A peça ganhou montagens de José Roberto Jardim, em 2013, e do Teatro Nacional da Escócia, no projeto A Play, a Pint and a Pie, em 2016.

Sinopse - O thriller aborda a relação privada e amorosa entre duas mulheres, a brasileira Maria e a estrangeira Cate, que decidem morar juntas em São Paulo. Dentro do antigo e decadente apartamento herdado por Maria, elas vivem em conflito. Em meio a esse ambiente turbulento, a violência e o horror batem à porta e invadem o lar. Elas são obrigadas a enfrentar agressões físicas e psicológicas de algum homofóbico do prédio, que se torna um inimigo invisível e constantemente presente. Em clima de suspense e desconfiança, elas lidam com a impunidade da justiça brasileira, uma moradora que as considera um mau exemplo, um padre que as tenta convencer de que são grandes pecadoras, uma síndica que nada pode fazer e suas angústias pessoais. A peça coloca em xeque a temática da tolerância, da coexistência entre diferentes grupos, os protocolos sociais, a justiça, religião e o papel de cada indivíduo diante das questões públicas.

Ficha técnica - Texto e direção: Michelle Ferreira. Elenco: Maíra De Grandi e Mariana Mantovani. Assistência de Direção e elenco de apoio: Julia Ribeiro. Produção: Lindsay Castro Lima e Cia. Teatro Enlatado. Iluminação:Cláudia De Bem
Cenografia: Fernando Salles. Figurinos: Antônio Vanfil. Desenho sonoro: Ricardo Bertran. Sonoplastia: Michelle Ferreira e Ricardo Bertran. Programação Visual: Maura Hayas. Fotos: Suellen Leal. Assessoria de imprensa:Pombo Correio. Idealização e produção: Cia. Teatro Enlatado. Realização: Sesc SP.

Serviço

Espetáculo: Tem Alguém Que Nos Odeia
Temporada: de 16 de novembro a 16 de dezembro
Horários: Sextas e sábados, às 21h30, e domingos, às 18h30
Duração: 70 minutos. Classificação: 14 anos.
Local: Sala de Espetáculos I (88 lugares).
Ingressos: R$ 20,00 (inteira), R$ 10.00 (aposentado, pessoa com mais de 60 anos, pessoa com deficiência, estudante e servidor da escola pública com comprovante) e R$ 6,00 (credencial plena do Sesc - trabalhador do comércio de bens, serviços e turismo credenciado no Sesc e dependentes).
Vendas pelo portal e unidades do Sesc. Limite de 4 ingressos por pessoa.

Sesc Belenzinho
Endereço: Rua Padre Adelino, 1000
Belenzinho – São Paulo (SP). Telefone: (11) 2076-9700

Comentários