Pular para o conteúdo principal

POSTAGEM EM DESTAQUE

VISUAL ARTV- Dança contemporânea, olhares plurais Com particular atenção na cultura tradicional brasileira, seminário reflete sobre possibilidades estéticas e temáticas de criação em dança contemporânea.






Dança contemporânea, olhares plurais
Com particular atenção na cultura tradicional brasileira, seminário reflete sobre possibilidades estéticas e temáticas de criação em dança contemporânea.

image.png
                                                                                                       
            Renata Lima integra mesa de conversa no sábado e ministra oficina no domingo.
De 12 a 14 de julho, o Centro Cultural Olido acolhe o Seminário Dança Contemporânea, Olhares Plurais, proposta do Núcleo Pé de Zamba, pensada para instigar a reflexão sobre as diferentes possibilidades estéticas e temáticas de criação em dança contemporânea. Com atividades teóricas e práticas, gratuitas e abertas ao público em geral, o seminário conta com artistas e pesquisadores de São Paulo e de outros estados, centrando as ações em dois grandes eixos: a interface entre tradição em contemporaneidade na criação em dança, e o olhar descolonizador para as práticas e temáticas em dança.
Entre os convidados estão Francisco van der Poel, o Frei Chico, pesquisador das culturas tradicionais do Vale do Jequitinhonha, as professoras Dras. Renata Lima, da Universidade Federal de Goiás (UFG), e Eloisa Domenici, das Universidades Federais da Bahia e do Sul da Bahia (UFBA e UFSB), e os artistas Ivan Bernardelli e Gal Martins.
Segundo Andrea Soares, diretora do Núcleo Pé de Zamba, a ideia do Seminário vem da necessidade de gerar questionamentos e reflexões sobre a criação e circulação da dança em São Paulo, a partir da crescente pesquisa e realização de espetáculos, que dialogam com referências em corporalidades e temáticas não hegemônicas.
Seguindo uma tendência de valorização e respeito às populações originárias de nossa cultura, este impulso emancipador dos modos de pesquisar e criar dança na cidade dialoga com seu perfil multicultural e constrói pontes não só com diferentes públicos e regiões, mas com possibilidades de ampliar os horizontes para a fruição e crítica da dança”, comenta. 
Neste sentido, “Dança Contemporânea, Olhares Plurais”, uma das ações de fruição e formação dentro do Projeto SerTÃOmar, contemplado pelo Programa de Fomento à Dança (25ª edição), vem como oportunidade de ouvir, praticar e debater com os convidados, fortalecendo este olhar mais abrangente e plural para a dança em São Paulo.
Confira a programação:
12/7 (sexta-feira)
19h  Palestra: "O pensamento redondo: pistas para liberdades na criação artística", com Francisco van der Poel, o Frei Chico.
13/7 (sábado)
13h30 às 18h30 – Oficina com Ivan Bernardelli
19h – Bate-papo: "Dos 'quintais' aos palcos: pontes possíveis entre as Culturas Tradicionais Brasileiras e a Dança Contemporânea", com Eloisa Domenici e Ivan Bernardelli. Mediação: Yáskara Manzini.
14/7 (domingo)
10h às 14h  Oficina com Renata Lima.
15h – Bate-papo: "Mesmas realidades, outras histórias", com Gal Martins e Renata Lima. Mediação: Deise de Britto.
Serviço:
Seminário – Dança Contemporânea, Olhares Plurais
De 12 a 14 de julho.
Local: Centro Cultural Olido – Sala Café.
Av. São João, 473, 2ª andar – Centro – prox. Estação República do Metro

Fotografias:

Frei Chico e Fuxico anarquista

Adicionar legenda Frei Chico e Fuxico anarquista

Eloisa Domenici


Ivan Bernardelli-foto WilianAguiar


Ivan Bernardelli 
Renata Lima-Foto Mônica Cardim


Gal Martins


__________________________________________

Um pouco dos participantes:
Francisco van der Poel – Frei Chico
Frade franciscano holandês, chegou ao Brasil em 1967. Pesquisador e divulgador da cultura popular da região do Médio Jequitinhonha/MG, tem seis livros publicados. Membro da Comissão Mineira do Folclore, do Instituto Histórico Geográfico de MG É docente do Instituto Jung, de Minas Gerais, e fundador do coral Trovadores do Vale, além de dar vida ao palhaço Fuxico.
Eloisa Leite Domenici
Artista da dança, professora do curso de Artes do Corpo em Cena, da UFSB e do Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas da UFBA, sua produção se concentra no conhecimento das manifestações da cultura popular tradicional,com ênfase em suas epistemologias locais e no diálogo com as artes cênicas. Liderou o Grupo de Pesquisa Corpo Brincante-Estudos Contemporâneos das Danças Populares, na UFBA. Recentemente, idealizou o curso de Especialização em Dramaturgias Expandidas do Corpo e dos Saberes Populares, na UFSB.
Ivan Bernardelli
Diretor e intérprete da Dual Cena Contemporânea, conduz processos de criação artística a partir de mitologias e fenômenos históricos relacionados à cultura brasileira. Graduado em Arquitetura e Urbanismo pela USP, tem em seu currículo espetáculos de destaque, como Chulos e Duo Para Dois Perdidos. Além da DUAL, coreografou para a Companhia de Danças de Diadema (SP), Cia. Sansacroma (SP), Coletivo Trippé (PE) e em parceria com o Grupo Experimental (PE).
Renata de Lima Silva
Diretora artística do Núcleo de Pesquisa e Investigações Cênica Coletivo 22, é capoeirista do Centro de Capoeira Angoleiro Sim Sinhô e professora do curso de Licenciatura em Dança e do Programa de Pós-graduação Interdisciplinar em Performances Culturais, na Universidade Federal de Goiás. Autora do livro ‘Corpo Limiar e Encruzilhadas: processo de criação em Dança’, resultado do Doutorado em Artes (2010), pela Unicamp, onde também defendeu a dissertação de mestrado "Mandinga da Rua: a construção do corpo cênico em dança brasileira contemporânea" (2004). 
Gal Martins
Artista da dança, atriz, arte educadora,  gestora cultural e  cientista Social, em 2002, criou a Cia Sansacroma, grupo paulistano de dança contemporânea preta, tendo como ponto de partida de suas criações as poéticas do corpo negro; também criou, em 2016, a Zona Agbara, grupo de dança formado por mulheres negras e gordas. Atualmente, atua como supervisora artístico-pedagógica do Programa Fábricas de Cultura
Yáskara Manzini
Artista da Dança, atuando como docente, pesquisadora, criadora, crítica e curadora. Como pesquisadora, foca a performance afro-brasileira traçando uma ponte entre a complexidade da estética religiosa da tradição dos Orixás, os desfiles das escolas de samba e a dança cênica contemporânea.
Deise de Britto
Educadora, artista da dança e do teatro, é Doutora em Artes pelo Instituto de Artes da UNESP (2019). Fundadora e integrante do Núcleo Vênus Negra e co-fundadora e componente da Ouvindo Passos Cia de Dança, possui graduação em Licenciatura em Teatro pela UFBA (2006); formação técnica em Dança pela Escola de Dança da FUNCEB (2004); especialização em História, Sociedade e Cultura, pela PUC-SP (2010); e mestrado em Artes, pela Escola de Comunicações e Artes da USP (2011).

Informações adicionais:
Elaine Calux – assessoria de imprensa
11 33689940 | 964655686



Comentários